Cuidados


O tambor, assim como os demais objetos ritualísticos utilizados no xamanismo, é feito respeitando os princípios dos povos que os utilizam em rituais e cerimônias. Portanto, nós lhe entregamos um instrumento criado com muito amor, devoção e inspiração. Para nós é sempre uma grande honra!
  • Os tambores xamânicos são instrumentos poderosos e delicados. Como tal devem ser tratados com grande respeito e cuidado, de modo a preservar sua beleza e vibração sonora por muitos anos;
  • Os tambores são bastante sensíveis às mudanças de temperatura, portanto o couro pode oscilar de acordo com a umidade do tempo, ficando mais “frouxo”, ou mais "duro" se o tempo estiver quente;
  • Caso fique muito frouxo, deixe-o por apenas alguns minutos em alguma fonte de calor, como o sol, fogueira ou aquecedor;
  • ATENÇÃO: Não é recomendável ficar exposto por muito tempo ao calor, pois pode danificar a resistência do couro e do aro de madeira, provocando danos irreparáveis. Portanto fique sempre por perto quando for aquecer o tambor para não esquecê-lo;
  • Dentre todos os modelos de tambores que confeccionamos, os LAKOTA são os mais sensíveis à umidade, portanto são os que afrouxam com mais frequência em locais úmidos, cidades litorâneas, chuvas, sereno da madrugada, etc.;
  • Os modelos CHEROKEE e PUEBLO formam entre os dois couros uma "zona de calor interna" que mantém os couros de ambos os lados mais resistentes à umidade. Mesmo assim, sob grande umidade podem afrouxar da mesma forma;
  • Essas são características únicas nos tambores xamânicos, pois são confeccionados com peles naturais. Por isso costumamos dizer que os tambores possuem uma alma e um corpo que reage às ações da Mãe Terra;
  • Com paciência, aprendemos a respeitar nosso tambor e seus momentos sagrados. Em resposta à nossa comunhão, quando aquecidos, os couros reproduzem sons maravilhosos e vibrações que nos remetem a grandes momentos de meditação e cura;
  • As baquetas merecem a mesma dedicação e cuidado e devem ser sempre guardadas junto ao seu tambor;
  • Se for possível, mantenha o tambor e a baqueta sempre guardados em uma bolsa para esta finalidade e os transporte da mesma forma;
  • O tambor pode e deve ser tocado por você e seus irmãos de caminhada, desde que você o tenha consagrado para esta finalidade;
  • Assim como qualquer objeto valoroso, o seu tambor terá uma longa vida, desde que seja tratado com respeito e cuidado. Esperamos que tenha bons momentos ao som desse instrumento sagrado e poderoso. 
-->

Preste atenção e verá, você vai tratar você mesmo, os outros e tudo o mais no mundo da mesma forma que trata seu tambor. Lembre-se o tambor representa o que você é e o que poderá se tornar.